Ivan Borges Jr.

Periodontia

Home »  Periodontia

A periodontia estuda, faz o diagnóstico, a prevenção e o tratamento das doenças gengivais e periodontais. A doença periodontal é uma patologia inflamatória de origem bacteriana que afeta a gengiva, ossos e ligamentos periodontais, isto é, as fibras que fazem à ligação da raiz dentária com o osso.

Sua evolução leva a perda óssea com conseqüente perda dos dentes. O agente causador da doença periodontal é a placa bacteriana que adere a superfície do dente, mas há casos em que são associados à má oclusão, fatores hormonais, próteses mal adaptadas, aparelhos de correção ortodôntica ou uso de medicamentos.

A forma de prevenir as doenças periodontais é a utilização correta da escova de dentes e do fio dental, e ainda visitas periódicas ao seu cirurgião-dentista (Periodontista).

img4c39468942d62 img4c3946f88fff3 img4c39472af17d1
As doenças periodontais normalmente são infecções crônicas que liberam toxinas causando vermelhidão e inflamação. Esta inflamação danifica a gengiva e o osso que suporta os dentes e podem levar à perda dentária. Além disso, esta infecção pode viajar por todo o corpo e criando novas infecções.
A principal causa das doenças periodontais são as bactérias da placa dentária, uma película incolor pegajosa que se forma constantemente sobre os dentes. O acúmulo da placa pode conduzir a um estágio inicial e mais suave da doença, a gengivite.

Durante este estágio, o tecido gengival pode inchar, ficar vermelho, sangrar facilmente, causando pouco desconforto. A gengivite é reversível com tratamento profissional e boa higiene bucal doméstica.

Mesmo a placa sendo a causa principal das doenças periodontais, outros fatores aumentam os efeitos sobre saúde gengival e do osso que suporta os dentes. O hábito de fumar, predisposição genética, estresse, medicações, diabetes, má nutrição, hábito de ranger os dentes e alterações hormonais podem aumentar a progressão da doença.

Existem diversas teorias para explicar a correlação entre a doença periodontal e doenças cardiovasculares. Uma teoria é que as bactérias presentes na boca podem afetar o coração quando caem na corrente sangüínea, se ligando à placas de gordura nas artérias coronárias (vasos sangüíneos no coração) e contribuem para formação de um coágulo.
Uma outra possibilidade é que a inflamação causada pela doença periodontal aumenta a formação da placa ateromatosa, o que pode contribuir para a obstrução das artérias.

Pesquisadores demonstraram que indivíduos com doença periodontal têm quase duas vezes mais chances de sofrer doenças cardíacas do que indivíduos sem doença periodontal.

A doença periodontal também pode exacerbar condições cardíacas pré-existentes. Pacientes com risco para endocardite infecciosa podem necessitar de antibióticos prévios aos procedimentos dentários. Nossa equipe, juntamente com o seu cardiologista será capaz de determinar se a sua condição cardíaca precisa do uso de antibióticos prévios.

As seguintes condições cardíacas exigem o uso de antibióticos para prevenir a Endocardite Infecciosa antes dos procedimentos odontológicos onde há previsão de sangramento:
• Prolapso de válvula mitral com regurgitação;
• Cardiomiopatia hipertrófica;
• Disfunção valvular adquirida;
• Malformações cardíacas congênitas;
• Válvulas cardíacas protéticas;
• Endocardite bacteriana prévia;
• Doença cardíaca cianótica congênita;
• Circulação cárdio-pulmonar cirúrgica.

Para os pacientes que possuem alguma das condições acima descritas, é importante conhecer quais os procedimentos odontológicos onde a profilaxia antibiótica para endocardite está indicada:
• Profilaxia (‘Limpeza”) dos dentes ou implantes;
• Colocação de bandas ortodônticas;
• Extração dentária;
• Procedimentos periodontais;
• Procedimentos cirúrgicos, incluindo instalação e reexposição de implantes dentários.

É bom lembrar que, caso você necessite de cirurgia cardíaca, uma avaliação bucal prévia feita pelo Dr. Ivan Borges Júnior diminuirá os riscos de complicações pós-operatórias.

Por um longo tempo, sabia-se que fatores de risco como fumo, álcool e drogas contribuíam para o nascimento de bebês prematuros e de baixo peso.
Atualmente, novas evidências têm demonstrado um novo fator de risco – a doença periodontal. Mulheres grávidas com doença periodontal podem apresentar até sete vezes mais chance de ter filhos nascidos muito antes do tempo e muito pequenos.

Mais pesquisas ainda são necessárias para confirmar como a doença periodontal pode afetar os resultados da gravidez. Parece que a doença periodontal aumenta os níveis de fluidos biológicos que induzem ao parto, podendo levar a prematuridade.

Todas as infecções são motivos de preocupação em mulheres grávidas, pois podem por em risco a saúde do bebê. A Academia Americana de Periodontia recomenda que mulheres que estejam planejando engravidar devem realizar uma avaliação periodontal.

Pesquisadores têm sugerido uma relação entre a osteoporose e a perda óssea mandibular. Estudos demonstram que a osteoporose pode levar a perda dentária porque a densidade óssea ao redor do dente pode ser afetada, o que significa que o dente não terá mais uma fundação sólida.
Entretanto, uma terapia de reposição hormonal pode oferecer alguma melhora. Um estudo publicado em agosto de 1999, pela

Academia Americana de Periodontia, concluiu que a utilização de suplemento de estrogênio em mulheres na menopausa diminui a progressão da doença periodontal. Os pesquisadores suspeitaram que a deficiência de estrogênio e a osteopenia/osteoporose aumentam a progressão de perda óssea bucal durante a menopausa, o que poderia levar a perda dentária. O estudo também concluiu que a reposição com estrogênio foi capaz de diminuir a inflamação gengival e a perda de inserção (destruição das fibras e osso que suportam os dentes) em mulheres com sinais de osteoporose.

Infecções respiratórias bacterianas podem ser adquiridas através da aspiração (inalação) de pequenas gotículas da boca e da garganta que vão para os pulmões. Estas gotículas contêm germes que podem se instalar e se multiplicar nos pulmões e causar danos. Pesquisas recentes sugerem que bactérias da garganta, assim como da boca, podem ser encontradas no trato respiratório inferior. Isto pode causar infecções ou piorar condições pulmonares já existentes. Pessoas com doença respiratória, tal como a doença pulmonar obstrutiva crônica, sofrem tipicamente de sistemas protetores reduzidos, tornando mais difícil eliminar bactérias dos pulmões.
Pesquisadores descobriram que bactérias que habitam a cavidade bucal podem ser aspiradas para os pulmões e causar doenças respiratórias, como a pneumonia, especialmente em pessoas com doença periodontal. As doenças pulmonares obstrutivas crônicas causam obstrução persistente das vias aéreas. A causa principal desta doença parece ser o hábito de fumar por um longo período.

Os produtos químicos e a poluição do ar irritam as vias aéreas causando obstrução. Danos futuros aos tecidos e a função pulmonar podem ser prevenidos, mas danos já estabelecidos não podem ser recuperados. A doença pulmonar obstrutiva crônica não-diagnosticada ou não-tratada pode resultar em danos irreversíveis. Atualmente, estudos estão em andamento para estabelecer como a higiene oral e a doença periodontal podem estar associadas com as doenças pulmonares.

Portanto, ter uma boca saudável, sem doença periodontal é de grande relevância para a sua saúde geral.

Alguns estudos têm apontado para uma associação entre a doença periodontal e o acidente vascular cerebral (AVC), mais conhecido como derrame. Em um estudo sobre a relação causal da infecção bucal como fator de risco para o AVC, indivíduos diagnosticados com isquemia cerebrovascular aguda apresentavam mais infecção bucal comparado aqueles do grupo controle.

Indivíduos com diabetes são mais suscetíveis à periodontite do que pessoas sem esta síndrome, provavelmente porque diabéticos estão mais propensos a contrair infecções. De fato, a doença periodontal (ou periodontite) é geralmente considerada a sexta complicação da diabetes.
Um estudo recente descobriu que pacientes com diabetes tipo 2 não-controlada são mais susceptíveis a desenvolver doença periodontal do que indivíduos com níveis glicêmicos controlados.

Entretanto, recentemente pesquisas têm sugerido que a relação entre a doença periodontal e a diabetes caminha para ambos os lados, onde a periodontite pode tornar mais difícil o controle dos níveis de açúcar no sangue.

Doença periodontal severa pode aumentar a glicose no sangue, contribuindo para elevar os períodos em que o organismo funciona com níveis altos de açúcar. Isto põe os diabéticos sob um risco aumentado de complicações. Portanto, diabéticos devem tratar a infecção periodontal.

Esta recomendação é suportada por um estudo publicado pela Academia Americana de Periodontia, em 1997, envolvendo 113 índios com diabetes e doença periodontal. Este estudo concluiu que quando a infecção periodontal foi tratada, o controle do diabetes foi marcadamente melhorado.

É através do sorriso que se comunica felicidade e confiança. E para manter um sorriso saudável, você deve cuidar com que está por atrás dele – ou seja, sua saúde periodontal.
Enquanto suas necessidades de cuidado mudam durante a vida, seja na puberdade, na gravidez, e na menopausa, suas necessidades bucais também podem mudar. As alterações hormonais durante estas épocas podem afetar seu tecido gengival e o osso subjacente que suporta os dentes.
Cuidar da saúde bucal é uma parte importante da saúde geral.
Puberdade
Quando uma mulher entra na puberdade, a produção de hormônios sexuais, o estrogênio e a progesterona aumentam.

Menstruação
Durante a menstruação, algumas mulheres podem experimentar a gengivite menstrual. Esta circunstância ocorre durante a ovulação ou a pré-menstruação e pode causar sangramento, vermelhidão, inchaço da gengiva, feridas no interior dos lábios e bochechas, além de um ligeiro desconforto ou sensação de ardência. A gengivite menstrual ocorre tipicamente antes do ciclo e desaparece uma vez que o mesmo se iniciou.
Estes sintomas tendem a reduzir quando a quantidade de hormônios sexuais diminui. É importante manter a saúde bucal durante as alterações hormonais, incluindo o cuidado em casa e profissional, de modo que o osso e os tecidos que cercam os dentes não sejam danificados. Em alguns casos, o tratamento periodontal e agentes antimicrobianos (antibióticos inclusive) podem ser recomendados para assegurar sua saúde periodontal.
Gravidez
As gengivas são afetadas pela gravidez como outros tecidos do organismo. As mulheres podem experimentar o aumento da gengiva ou a gengivite da gravidez. Começa no segundo ou terceiro mês e aumenta a severidade no oitavo, causando edema, sangramento e vermelhidão.
Em alguns casos, as gengivas inchadas pela gengivite da gravidez podem reagir fortemente com irritações locais e dar forma a uma protuberância. Estes crescimentos, chamados tumores de gravidez ougranuloma piogênico, não são cancerosos e são geralmente indolores. Normalmente desaparecem após a gravidez, mas podem requer a remoção cirúrgica.

A melhor maneira de se evitar complicações bucais associadas à gravidez é ter gengivas saudáveis. Se estiver pensando em engravidar, você deve visitar um periodontista para uma avaliação detalhada.
Gravidez Saudável
Se esta grávida ou planeja engravidar, você precisa saber como a saúde bucal pode influenciar a gravidez e a saúde do bebê.

Estudos têm mostrado que qualquer infecção, incluindo a infecção periodontal, pode aumentar o risco de gerar bebês prematuros ou com baixo peso. Outras evidências científicas mostraram que a inflamação periodontal pode também contribuir para preeclampsia, tornando uma condição de morte potencial.

Por isso, inclua a saúde bucal como parte do cuidado pré-natal.

Se está grávida e possui diagnóstico de doença periodontal, um simples procedimento não-cirúrgico chamado de raspagem e alisamento radicular pode reduzir suas possibilidades de ter um bebê prematuro ou de baixo peso.

Uma boca saudável dará a você e ao seu bebê, um motivo a mais para sorrir!

Tratamento da infertilidade
Pesquisas comprovam que mulheres que se submetem ao tratamento da infertilidade sujeitas à indução da ovulação por mais de três ciclos menstruais tiveram aumento nos níveis de inflamação e de sangramento gengival.

Menopausa
Estudos têm mostrado que mulheres pós-menopausa podem reduzir significantemente a perda dos dentes controlando a periodontite. A reabsorção do osso alveolar (o osso que prende os dentes na boca) é um forte prognóstico de perda dentária em mulheres pós-menopausa.
As profilaxias profissionais são essenciais durante esta época da vida. Se você apresentar quaisquer sintomas associados com a menopausa ou pós-menopausa, informe seu periodontista imediatamente.

Osteoporose

Se possui osteoporose, você sabe que sua massa óssea pode estar diminuída. Você deve tomar cuidado ao realizar atividades cotidianas porque corre o risco de fraturar algum osso. O que você não sabe, é que a osteoporose pode estar relacionada à doença periodontal.
As doenças periodontais podem levar à reabsorção do osso que suporta os dentes e à perda dos mesmos. Esta associação foi difícil de ser comprovada por causa de muitos fatores de risco similares as duas doenças, incluindo o fumo, a idade, os medicamentos e as doenças sistêmicas.
Se você possui osteoporose ou estiver tomando medicamentos para tratar a baixa densidade óssea, é importante informar seu periodontista.

Os genes possuem um papel indispensável no início e severidade da doença periodontal. Você pode ser avaliado(a) geneticamente em relação às doenças periodontais com uma simples coleta de saliva.
A notícia boa é que você pode identificar seu risco para doenças periodontais antes de aparecer algum sintoma. Se você descobrir que é geneticamente suscetível às doenças periodontais, medidas preventivas podem ser necessárias para manter sua saúde bucal.

Os hormônios sintéticos ou contraceptivos orais (pílulas anticoncepcionais) são projetados para imitar a gravidez e podem proporcionar vermelhidão, sangramento ou inchaço gengival.
Pesquisas têm demonstrado que usuários de bifosfonatos IV, drogas usadas para o tratamento do câncer metastático do osso e na diminuição de dores e fraturas, podem desenvolver a osteonecrose dos maxilares. Esta circunstância pode causar danos severos, freqüentemente irreversíveis, debilitando os maxilares após a cirurgia periodontal. Se possui prescrição de bifosfonato IV, é recomendado que faça uma avaliação periodontal antes do tratamento. Se neste caso, a cirurgia periodontal for necessária, ela poderá ser realizada antes de receber a terapia do bifosfanato IV.

Se você estiver fazendo uso de medicamentos, um monitoramento cuidadoso de sua higiene bucal, incluindo cuidados pessoais e profissional, é essencial para assegurar a saúde do tecido gengival e do osso que suporta os dentes. Também, é importante mencionar ao seu médico ou cirurgião-dentista toda a medição da qual você faz uso, incluindo contraceptivos e bifosfonatos orais. Isto ajudará a eliminar o risco de interações causadas por medicamentos mais comuns, como por exemplo os antibióticos, que podem diminuir o efeito do contraceptivo oral.

Criando um futuro cheio de sorrisos saudáveis e felizes.
Os germes (bactérias) começam a crescer na boca das crianças desde o nascimento. Muitos fatores, incluindo dieta, genética, exposição às bactérias de outros membros da família, alterações hormonais e higiene bucal deficiente podem fazer com que germes normalmente inofensivos tornem-se prejudiciais ou alterem a defesa natural do corpo.

Periodontites são geralmente relacionadas como conseqüência do envelhecimento – um problema do adulto. Mas, sabe-se que a gengivite, o primeiro estágio da doença periodontal, é quase sempre encontrada em crianças e adolescentes.

A boa notícia é que com pouca instrução e hábitos fáceis você pode impedir as doenças periodontais e ajudar a criar sorrisos saudáveis e felizes para as futuras gerações.

Tipos de doenças periodontais em crianças e adolescentes:

Gengivite crônica

Geralmente caracteriza-se por vermelhidão, inchaço e sangramento gengival. Pode ser tratada através de uma rotina regular de higienização bucal, uso do fio dental e cuidado profissional. Este cuidado é especialmente importante nas crianças e nos adolescentes que se submetem à ortodontia. A gengivite crônica não tratada pode eventualmente avançar à doença periodontal em formas mais sérias.

Periodontite crônica e agressiva localizada

A periodontite agressiva pode ser encontrada em crianças e adolescentes, afetando principalmente primeiros molares e incisivos. É caracterizada pela perda óssea e, ironicamente, em pacientes com quase nenhuma placa bacteriana ou cálculo. A periodontite crônica é menos nociva do que a periodontite agressiva e afeta indivíduos adultos com idade superior a 35 anos.

Periodontite crônica e agressiva generalizada

São similares à periodontite crônica e agressiva localizada, a não ser por envolver a boca inteira. Normalmente estas formas de periodontites podem fazer com que os dentes fiquem frouxos.

Como nos adultos, as periodontites estão associadas às doenças sistêmicas que também podem ocorrer em crianças e adolescentes.

Circunstâncias que fazem estes jovens mais suscetíveis à doença periodontal incluem:

– Diabetes Tipo 1
– Síndrome de Down
– Síndrome de Papillon-Lefevre

Prevenção da doença periodontal

Crianças e adolescentes estão sujeitos a uma variedade de infecções e podem desenvolver doenças periodontais severas. Desde que seja realizado diagnóstico precoce, há possibilidade de um tratamento bem sucedido. É importante que as crianças recebam um exame periodontal como parte de suas visitas ao consultório odontológico.

Uma forma avançada de periodontite nas crianças pode ser um sinal precoce de condição sistêmica de saúde alterada.

Conselhos para assegurar que sua criança tenha uma vida de sorrisos saudáveis.

Estabeleceruma rotina de cuidados doméstico e profissional. Se sua criança não estiver acostumada com hábitos de higiene bucal, trabalhe para mudá-los agora. Recompense seu filho não apenas quando ele perde um dente, mas também quando receber o diagnóstico de saúde do cirurgião-dentista.

Verificarse a boca de seu filho tem sinais de periodontites. Embora as doenças periodontais sejam infecções “silenciosas”, quatro sinais básicos podem alertá-lo sobre as doenças periodontais em sua criança:

Sangramento:Quando a criança escova os dentes, tem sangue na escova ou na pia.

Inchaço:A gengiva da criança está inchada, brilhante e avermelhada.

Retração:Observe se existe retração, de modo que os dentes fiquem longos e com exposição das raízes dentárias.

Mau hálito:Freqüentemente sua criança tem mau hálito mesmo higienizando os dentes.

O periodontista ou odontopediatra devem ser avisados imediatamente se seu filho exibir alguns destes sintomas.

Informaraos profissionais da área odontológica todos os medicamentos que sua criança utiliza. Alguns medicamentos podem secar a boca ou causar outras ameaças à saúde bucal. Respirar pela boca também pode levar a inchaço gengival, especialmente na parte anterior.

Monitorarhábitos de bruxismos ou ranges dos dentes. Ranger os dentes pode aumentar o risco de desenvolver a doença periodontal, além de causar trincas e rachaduras. Seu dentista pode confeccionar protetores (placas) para proteger os dentes do ranger noturno.

Pesquisassugerem que doenças periodontais podem ser transmitidas através da saliva.

Cuidados domésticos e profissional

Uma criança deve visitar o odontopediatra antes mesmo de aparecer o primeiro dente em boca. Estas visitas precoces são etapas importantes na prevenção de doenças periodontais e essenciais para dentes saudáveis, e visitas felizes ao dentista.

Boa saúde bucal consiste de uma rotina de cuidados domésticos como o uso do fio dental e escovação. O cuidado bucal em casa é especialmente importante para crianças que usam aparelhos ou outros dispositivos ortodônticos

Mantendo os dentes naturais, colhem-se benefícios de uma saúde equilibrada. Você pode mastigar confortavelmente e apreciar uma digestão melhor. Você pode ter um sorriso saudável, atraente e um aspecto natural à sua aparência.
Preservar a saúde bucal não protege apenas sua saúde sistêmica, mas economiza também seu dinheiro. Fazer um exame de aproximadamente dez minutos leva menos tempo do que você gastaria para se barbear ou se maquiar. Além destes benefícios, escovar os dentes e usar o fio dental fazem parte de um estilo de vida saudável e feliz.

Maneira correta de usar o fio dental:
Se for usado corretamente, o fio dental remove a placa bacteriana e resíduos de alimentos de áreas em que a escova não tem acesso. O uso diário do fio dental é recomendável, já que a placa bacteriana pode levar ao aparecimento de cáries e doenças periodontais.

Uso correto do fio dental:

Enrole aproximadamente 40 centímetros do fio ao redor de cada dedo médio, deixando uns dez centímetros entre os dedos.

Segurando o fio dental entre o polegar e indicador das duas mãos, deslize-o levemente para cima e para baixo entre os dentes.

Passe cuidadosamente o fio ao redor da base de cada dente, ultrapassando a linha de junção do dente com a gengiva. Nunca force o fio contra a gengiva, pois ele pode cortar ou machucar o frágil tecido gengival.

Utilize uma parte nova do pedaço de fio dental para cada dente a ser limpo.

Para remover o fio, use movimentos de trás para frente, retirando-o do meio dos dentes.

img4bc7f1bc22a49

Uma escovação adequada deve durar, no mínimo, dois minutos! A maioria dos adultos não chega nem próximo deste tempo. Escove com movimentos suaves e curtos, com especial atenção para as margens das gengivas, dentes posteriores, e as áreas situadas ao redor de restaurações e coroas.
Concentre-se na limpeza de cada setor da boca, da seguinte maneira:
– Escove as superfícies voltadas para a bochecha dos dentes superiores e inferiores.
– Escove as superfícies dentárias que estão voltadas para o palato e língua.
– Em seguida, escove as superfícies de mastigação.
– Para ter hálito puro, escove também a língua, local onde muitas bactérias ficam alojadas.

img4bc7f439049e3

Após o tratamento periodontal, frequentemente os dentes podem ficar sensíveis. Esta sensibilidade normalmente é provisória, principalmente quando se mantém os dentes livres de placa. Se a sua boca não for mantida limpa, a sensibilidade persistirá e ficará mais severa. Porém, caso seus dentes forem sensíveis, consulte seu periodontista. Ele pode recomendar um creme dental ou um enxagúe com efeito específico.

Existe atualmente uma variedade de produtos para higiene bucal. Quando você se depara com um corredor de supermercado, geralmente encontra escovas, fio dental , antissépticos e outros produtos que tornam sua escolha difícil. Estão, eis algumas orientações para ajudá-lo (a) a escolher melhor os produtos de cuidado bucal.
Fale com seu periodontista para avaliar melhor suas necessidades particulares.

Acrescente as escovas manuais, incluindo escovas elétricas. Estas são seguras e eficazes para a maioria dos pacientes. Os irrigadores bucais (dispositivos de pulverização) enxaguarão totalmente sua boca, mas não removerão a placa de seus dentes, a menos que sejam usados em conjunto com a escova e fio dental.

Outras opções, incluem as escovas interproximais ou interdentais (escovas minúsculas que limpam entre os dentes). Se usados impropriamente, estes dispositivos podem ferir as gengivas; assim é importante discutir o uso apropriado com seu periodontista.

Os cremes dentais contendo fluoretos e os bochechos, usados conjuntamente com a escova e fio dental, podem reduzir a cárie dentária com uma porcentagem de 40%. Contudo, os bochechos bucais não são recomendados para crianças menores de seis anos.

As crianças devem somente usar metade da quantidade usual da pasta de dentes contendo fluoretos na escova, para evitar uma super dosagem do produto. Os cremes dentais com controle do tártaro ou cálculo (nome correto) irão reduzir a formação destes depósitos acima da linha da gengiva.

Os bochechos anti-placa aprovados pela Associação Brasileira de Odontologia (ABO) contêm os agentes químicos que podem ajudar a prevenir doenças da gengiva e mantê-la sob controle. Estes produtos podem ser úteis quando associado à escovação e ao fio dental.

Seu periodontista é a melhor pessoa para lhe ajudar a selecionar os produtos ideais à sua saúde bucal.

A escovação diária e uso do fio dental manterão a formação do cálculo dental ao mínimo, mas não o impedirá completamente. Uma limpeza profissional removerá o cálculo endurecido nos lugares onde sua escova e fio dental não alcançaram.
Visitas regulares ao periodontista são parte importante do seu programa de higiene bucal, a fim de impedir as doenças gengivais e manter seus dentes saudáveis.

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien